Por falar em deus...

Costumo dizer que tudo que se faça com o dinheiro, além de gastar, é imoral. E sabe no que credito? Exatamente nisso. É impressionante como o dinheiro é idolatrado, guardado, cobiçado ao invés de simplesmente exercer a função para que foi feito: comprar. Estranho que uma mesma pessoa, quando não o tem, possui uma série de necessidades que com capital não existiriam. Aí ele chega e as necessidades ao invés de diminuírem, aumentam. Ele traz - ressalte-se que somente para algumas pessoas - sofrimento, dor. Conheço gente que fica deprimida por ter que gastar. Gente que nunca bebeu um vinho bom mesmo tendo como pagar, que quando viaja - ainda viajam? - comem o máximo que conseguem no café da manhã do hotel e o mais tarde possível para economizar no almoço. Indo a um ambiente mais macro, existem pessoas, que a mídia chama de mega-investidores, que destroem economias de países do terceiro mundo em busca de lucro. Ou seja, de mais dinheiro. E para que? Para gastar? Não! Mas para comprar e vender empresas sem lembrar que elas também são feitas de pessoas, para comprar papéis de governos corruptos e receber juros exorbitantes destes mesmos burocratas. Para especular. Para desordenar. Para criarem o tal capital internacional, que vai como um vampiro mundo afora sugando o que deveria virar comida, virar educação, sem falar em arte e cultura, saúde e tantas coisas mais que não dão o mesmo lucro. E aí ganham ainda mais e mais. Para empregar em produção? Novamente não! Mas para alimentar novamente essa fome de algo que pode matar - e mata - e destruir - e destrói e, ao mesmo tempo, que poderia educar - e não educa - e salvar - e não salva. Dinheiro! Ele é bom. Aqueles que dão a ele outro significado, outra função, estes sim são os bandidos desta história. Cada vez mais acredito que tudo além de gastar seja imoral, tratando-se de dinheiro, mas quando penso nos vinhos não bebidos por quem pode, nas economias destruídas pela ganância acredito que pode ser ainda pior. Talvez não seja somente imoral, mas criminoso. Excluo o pão-duro-sofredor-pobre-de-espírito, mas os especuladores não. Eles não fazem bem para todos, incluindo eles próprios, mas isso não me importa nem um pouco. Por falar nessas coisas todas, lembrei que ando numa dureza danada! - mas feliz da vida com os vinhos que ando bebendo.


4 comentários:

carmem disse...

Viu? por isso que eu gasto, não tenho o menor apego ao dinheiro....Vou mandar o fernando ler esse artigo...rssrs
Bjs

Thihauanaco disse...

Oi Carmencita. EstáS certíssima.

Sábado, então, comida espanhola?
êBA...

Anônimo disse...

Eu também não me apego ao dinheiro, por sinal se vocês quiserem que eu cuide da grana de vocês podem falar comigo.

Cícero

Tihauanaco disse...

Cuidar do meu dinheiro?? Hehe.. desapego total: to duro!