Poesia ou guerra?

Toca o telefone as quatro da manhã. A esta hora o barulho é estranho. Começa baixinho, como se estivesse dentro de um uma caixa acarpetada, e vai aumentando lentamente até ficar ensurdecedor. Não foi diferente desta vez. Começou aquele som abafado e eu pensando "que sonho estranho o de um telefone tocando, não vou atender. Pode virar um pesadelo e aí sabe-se lá quem poderia ser no outro lado." Na verdade, sendo um sonho, qualquer pessoa. Por exemplo, o Obama, falando em português, claro:
- Alou? Mister Beto?
- Yé - diria eu com toda minha fluência.
- Poder falar?
- Desembucha, 'negão'! - Neste momento, eu teria uma preocupação enorme em ser processado. Apesar de poder chamar meus amigos  brancos de branquelas ou baratas descascadas, meus amigos orientais (todos eles) de chinas e os negros de "negão", o senhor - ainda bem - presidente dos gringos eu não deveria poder. Mas, enfim, já que era sonho, se alguém me processasse eu ganharia, ou então seria pesadelo. Ele continuou:
- E o Kim Yong-nan? Que achas?
- Acho que vocês deviam fazer assim. Pega o cidadão mais forte dos EUA, do Japão, da Coréia do Sul, além é claro, da do Norte. Coloquem todos em volta a uma mesa a jogar pulso.
- Pulso?
- Pô, Barack, jogo de pulso, quebra de braço. Como está o tempo aí no teu planeta? Bem, joguem um campeonato estilo todos contra todos e o vencedor tem o direito de olhar para os outros e dizer: "ráááá... Sou o vencedor." Pronto. Resolvida mais esta crise. Se der algum problema, como anabolizantes e tal, aí sim....
- Aí sim guerra com bombas atômicas?
- Não, Obama, aí sim chamem quatro diplomatas para negociar por seus países, já que à força não deu certo, como, aliás, nunca deu. Compreende?
- Ou yés. Vérigudi. Bay.
Mesmo com esse diálogo acontecendo, o trim-trim ficava cada vez mais alto, até que percebi: não era sonho, o maldito telefone estava mesmo tocando. Levantei com rapidez pensando em quem teria morrido, pois, claro, ligação a essa hora só pode ser tragédia. Uma voz suave diz:
- Alouuu?
- Alo - respondo.
- Pode falar? - Pensei em responder; "posso mais não devo, afinal, são quatro horas da manhã e sempre me ensinaram a não falar dormindo", mas depois de ouvir àquela carícia transformada em som, respondi com toda a educação:
- Hungrff!
- Sou eu, a Maitê.
Pronto, me enganei. Era mesmo sonho. Maitê as quatro da manhã não pode ser realidade. O que poderia ter acontecido? Seria pesadelo? Ela saiu daquele programa? Não, não pode ser. Isso não. Ela deixará de fazer televisão? Eu não suportaria. Melhor a terceira guerra. Procurei ficar calmo e concentrado para não entrar em desespero. Alguma coisa de muito grave tinha acontecido, óbvio, mas eu tinha que segurar a barra. Reuni todas as forças e num ato de coragem, disse:
- Que foi? - Não sei como consegui, mas disse as duas palavras in-tei-ri-nhas, sem gaguejar, sem vacilar. Sou mesmo o cara. Fiquei como uma fortaleza pronto para assumir o pesadelo e então ela disse:
- Nada! Só queria te mostrar um poema que fiz, sobre verdades, amores e mentiras!
Era sonho. E o poema de um bom gosto e de uma riqueza literária indescritível.
Mas contei tudo isso para perguntar: como não gostar de uma mulher que declama poemas por telefone em plena madrugada? Heim? Heim?
E o Negão querendo falar dos chinas. Parece até o barata descascada do Bush. Eu mereço.


13 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom.... hehe

Robson

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ricardo Valente disse...

Sensacional, Beto. Abraço!

Felipe Lima disse...

Maitê também esteve comigo. E é sonho, claro.

Extase disse...

amos todos os meus amigos de bibas, mas as bibas não gostam,porque?

Leandro Fonseca disse...

sabe de uma coisa? eu tenho quase certeza de que a Coréia lançou aquela bomba só pra cutucar a onça com vara curta...



hasta!

Extase disse...

Só que Leandro a Vara é muito curta.

Barata descasga é boa......

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Biba disse...

Olá Beto! Retorno e venho logo ver o que você anda aprontando por aqui. Muito legal, dei muitas risadas. Você é ótimo! E a Maitê não sai do seu imaginário, enh?

Beijo
carpe diem

Desarranjo Sintético disse...

Aahahha! Bom...sonhos criativos esses seus não? Rsrs.
Bom eu faço questão de não ter nenhum sonho com ela, então espero que minah cotas de sonhos com ela possam ser tranferidas para ti...rs.

Abraços!

Letícia disse...

A Maitê vai começar a te pagar uma generosa quantia em Cash porque nunca vi alguém mencionar tanto o nome dela. E essa ligação no meio da madrugada... eu morri de rir aqui. Eu e meus botões. Você é muito bom e não vou deixar muita maionese por aqui, Beto. =)

E o "Desembucha,'negão'! foi perfeito. hehehehehehe...

Afobório. disse...

bom demais betão.

sorte e luz.

angela disse...

Esse texto está ótimo! Dei muita risada....
Angela