Panfletos, fora!

Alguns temas exigem uma posição a favor ou contra. Fale-se, por exemplo, em pena capital. Um tanto será favorável e outro não. É praticamente nulo o percentual dos indecisos.
Creio que esse fato aconteça no ocidente por posições políticas. Se analisarmos friamente, veremos que a ampla maioria das nações fica entre esquerda e direita em praticamente todas as eleições, sobrando pouco ou quase nada para o centro. É assim nas Américas e na Europa, lugares onde certamente nascem as tendências para grande parte do planeta e, talvez por isso, algumas personalidades também exijam posição a seu respeito, assim como a pena de morte.
Ernesto Guevara, médico e guerrilheiro por vocação, por exemplo. Ninguém passa por esse verdadeiro mito, sem marchar nas fileiras dos simpatizantes, que praticamente o tornam um deus, ou no rol dos contrários, aqueles que o classificam simplesmente como assassino ou mercenário.
Pois em Che, el Argentino, não poderia ser diferente. Trinta milhões de verdinhas e 126 minutos para mostrar a história, desde a saída de barco do México com meia dúzia de guerrilheiros até o dia da chegada em Havana, foram o suficiente para a confecção de um enorme panfleto.
Esse tipo de coisa, independente da minha posição política, se a favor ou não, criticarei sempre. O cinema não pode ser usado para vender algo que não seja a si próprio, que não seja arte. Um filme pode mostrar somente qualidades de alguém, sem ser planfetário. O que claramente não acontece nesse caso.
Além disso, a história não passará de um filme de quase guerra meio chato, para quem não conhece pelo menos um pouco da vida de Fulgêncio Batista e Fidel Castro. Ele se baseia em fatos da revolução Cubana para o desenrolar da trama, somente com citações, sem mostrá-los. Isso não chega a ser um defeito, já que não podemos condenar os idealizadores do filme pela ignorância (no sentido exato da palavra que é de desconhecer algo) dos possíveis espectadores, mas incomoda um pouco.
De resto, ele é bem filmado e muito bem editado. Gosto de filmes que intercalam "tempos" e cortam seguidamente a história sem que se perca a linha da ação.
Geralmente  admiro as obras dirigidas por Steven Soderbergh (A série 11, 12 e 13 Homens e um Segredo, Erin Brockovich, etc) e, na verdade, tirando os "detalhes" explicitados acima, também gostei do Che.
Rodrigo Santoro como Raul, irmão de Fidel, tem uma participação pequena o suficiente para que não seja analisada. Demián Bichir, que interpreta o ditador, deixa a desejar principalmente no início do filme. Tentou fazer um Castro ativo e nervoso demais, com gestos e movimentos "imprecisos", deixando o personagem sem nenhum carisma, o que difere da realidade.
Mas, claro, tem um motivo nobre o suficiente para que se vá correndo aos cinemas (quase sempre tem um): Benício del Toro. Uma das melhores interpretações que vi nos últimos anos. Ele está simplesmente fantástico, beirando a perfeição. Imperdível.
Quem não foi ainda e gosta de cinema e interpretações inesquecíveis, pipoca e escurinho, sem dúvida. Quem já foi, basta esperar a segunda parte, já filmada, para continuar vendo Benício, el porto-riquenho.

11 comentários:

Denise disse...

Na pior das hipóteses, seus textos sempre dão vontade de ir ao cinema. Este talvez seja o grande mérito. Bjo.

Afobório. disse...

bah beto, mas que coisa heimmm.
bem, é realmente o que escreveu.
acho que as indicações e os argumentos estão bem pautados.
vejo cinema como forma de arte, e fico aqui numa confusão, por que a arte também precisa sair do papel.
e me vem a pergunta, como não tomar partido no momento de produzir?
pois é, é muito difícil nesses casos históricos.
é por isso que apaludo o texto e levo esse post para o travesseiro hoje.
acho que isso numa metáfora poderia ser usado para analisar a literatura beat e a questão das drogas, cito a obra Junkie, de William Burroughs, ou ainda em contexto outro livro dele que se chama Almoço nú.
bem, enfim, valeu o post, valeu a promulgação do pensar.

sorte e luz.

Biba disse...

Nossa, vontade de ver correndo! Não, de ir correndo ao cinema, melhor dizendo.

Beijo grande,
carpe Diem!!

george araújo disse...

ixe!
axo q vou amanhã!
hihi



abraços
>>

Felipe Lima disse...

A terceira parte já pode ser vista no youtube: aquela em que o Del Toro é nocauteado pela repórter de origem cubana que o deixa absolutamente sem chão diante dos argumentos que ela apresenta. Dá dó de ver.

Beto Canales disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
glória disse...

Você tem razão esse é um filme obrigatório, é preciso ter uma opinião sobre ele. De todo jeito, em relação a filmes nada imperdíveis já fui mobilizada por um atriz, um ator, um diretor de fotografia, pela trilha algo que prima pelo detalhe. Benício Del Toro é um gigante. Conferirei, bjs

glória disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Extase disse...

Amigo, eu concordo quando dizes que o cinema não pode ser usado para vender algo que n~~ao seja arte. Continuemos assim, falando sobre o quue achamos certo e errrado, calar não é mas possivel.

Laura Peixoto disse...

oi
vou pegar a carroça e tocar pra capital pra ver o seu benício.
agradecida pela dica.
bj

Ricardo Valente disse...

É isso: a interpretação do Benício del Toro, já vale a ida ao cinema.
Abraço!