Poder para o bem?


É bom ser poderoso. Aqui neste blog, por exemplo, eu sou absoluto. Faço o que quiser sem nenhuma preocupação. Não acreditam? Pois vou escrever, sei lá, uma onomatopéia completamente - piu, piu, piu - fora do contexto. Viram? Mais? Nome feio? Putamerda! Pronto. Posso qualquer coisa, tudo me é permitido por aqui. Se eu começasse agora um conto, por exemplo, poderia ser assim: "Os pigmeus famintos invadiram o senado federal e o povo, logo atrás, correu para fechar as portas, logo depois da entrada dos nativos". Poderiam achar inverossímil os canibais comerem tanta porcaria mas, na verdade, se eu quiser eu faço o texto e pronto. Ou e ponto. Tudo porque tenho poder para tanto.
Na verdade, não quero falar de selvagens e muito menos de literatura, mas sim desse estranho senhor chamado poder.
Conheço pessoas que largaram tudo (e para esse 'tudo' compreenda-se as ambições normais de pessoas comuns, como amigos, casa, grana e algum conforto) para irem trabalhar no interior de um país africano, assolado pela aids e outras mazelas, além de guerrilhas e combates tribais, ganhando praticamente o mesmo que recebiam por aqui. Perguntei, claro, a razão da mudança. Ainda tentei colaborar fornecendo eu mesmo alguns argumentos que considero razoáveis, como experiência de vida, conhecimento de outras culturas bastante distintas ou mesmo - meio absurdo, mas... - incrementar o currículo porém, surpreendentemente a resposta foi só uma: poder.
Demorei a entender e acredito que ainda não tenha compreendido. O que na verdade seduz este verdadeiro, sei lá, desbravador? Mandar e desmandar em quem ele não conhece no outro lado do oceano? Ter a vida dessas pessoas dependendo de seu gosto e caprichos? Tê-las em completa doação? Abusar delas?
Coisa boa não deve ser. O ser humano é estranho. É ruim. O que incomoda não é o fato dele ir, evidentemente, mas sim a resposta que deu. Interessante, também, é que tudo isso ele poderia fazer aqui,  porém pagando. Lá, recebendo. Pode ser isso, mas prefiro pensar que não. Prefiro pensar que não existem coisas assim. Será que se eu fingir que não conheço esse sujeito nada de ruim acontecerá? Se eu desconhecer, as pessoas não sofrerão? Já que não vou ver, afinal a África é depois da curva, tudo será imaginação?
Enfim, melhor dizer que não conheço sujeito nenhum e, se conhecer, que viajei na maionese. Provavelmente ele vai para ajudar aquelas pessoas e quando perguntei o motivo, só respondeu "poder" por que não tinha nada melhor para dizer.
Mas, por vias das dúvidas e como aqui mando eu, quero que este sujeito vá catar coquinho no banhado!

12 comentários:

glória disse...

eu também quero que ele coma coquinho ou, quem sabe,possa ser devorado por algum antropófago, rsrsrsr, bjs

Afobório. disse...

olá.
eu nem sei o que dizer, além de que está muito bem escrito.

sorte e luz.

Silvares disse...

Estranhas motivações nos fazem exercer o poder...

Denise disse...

Nem é preciso ir à África. Quem foi ou é oprimido por qualquer forma de poder exercida por um 'humano' conhece muito bem a face do monstro que pode ter a criatura por trás da máscara.

Leandro Fonseca disse...

não há um ser absoluto. um filho manda no brinquedo, o pai manda no filho, o patrão manda no pai, e assim por diante. Acho que existem vários seres absolutos, cada um mandando e desmandando à seu gosto. mas não creio que seja ruim... se um ÚNICO ser fosse absoluto, e tivesse poder sobre nossas vidas, seríamos robôs controlados por um 'chefão'. O poder nunca tem fim, é sempre reciclado.

Ricardo Valente disse...

Poder rima com foder. Tu escreves bem pracarái... É... tem cada indivíduo... procura e encontra a sua tribo. Nem que seja de um homem só.

Abraço!

Jana Lauxen disse...

Eu acho que não importa tanto O QUE você faz, mas PORQUE.
E nessas, até os atos mais nobres acabam, muitas vezes, escondendo motivos bastante sinistros.
deve ser por isso que o inferno tá cheio de boa intenção.

Um beijão meu amigo!
;)

.Dazinha. disse...

ser humano,não é humano, nem bicho, nem extra-terrestres, nem porra nenhuma.
ser humano é medonho.

felipe favilla disse...

acho que o exercício do poder e o que ele significa para o homem é muito mais complexo. e acho que voce concorda comigo.

um abraço

Sheyla Amaral disse...

Não entendi o "poder" que ele vai demonstrar, ter ou sentir lá. Sentir-se superior, talvez? Isso só demonstraria seu complexo de inferioridade. A não ser que a resposta tenha um fundo filosófico e relacione poder com livre-arbítrio; mas, nos dois casos, que ele vá catar coquinho mesmo.

Ivansalvador disse...

não acedito nesse poder. o que essas pessoas desejam é somente experiencia de vida internacional. poder foi só uma palavra tola empregada no contexto errado

Felipe Lima disse...

Putamerda.