Razões para manter-se vivo

Fiquei "viajandão" e imaginei motivos que fariam uma pessoa inteligente manter-se viva. Claro que, até para serem pertinentes, essa pessoa estaria pensando o contrário e, difícil dizer, com razões plausíveis para tanto.


A primeira imagem que veio à cabeça foi do mar. Exato e lindo como só ele. Verde em alguns lugares, azul em outros e até marrom, não interessa, ele é sempre bonito. E essencial. Certamente uma boa razão, mas não vou falar dele. Nem de coisas mais óbvias, como filhos. Creio que não existe nada mais sublime. Olhar a expressão de um filho achando que a maior trapalhada que possamos fazer é coisa de herói, é magnífico. Não vou falar também do riso, ou mesmo das coisas engraçadas, como a famosa placa que nunca esqueço que dizia "Banheiro exclusivo para clientes e não clientes" ou outra ainda "O proprietário informa que o bar não está aberto por que está fechado". Não falarei também do choro, daquele pranto de saudade, ou mesmo as lágrimas gratuitas em um filme bobo na hora do beijo na boca. Ou as de emoção, ao ver aquele mesmo filho lá de cima ter dado seu primeiro sorriso. Ou ainda de orgulho de uma amizade que não sucumbe ao tempo, a distância, as dificuldades, a nada. Melhor nem lembrar das artes, dos grandes autores e seus romances inesquecíveis, ou pintores que conseguem representar melhor que a própria imagem real. Nem do cinema com seu mundo à parte, e seus heróis invencíveis e histórias fantásticas. Nem das palavras, essas mesmos tão poderosas que podemos usar, manipular, multiplicar e contar o que quisermos; nem dos amores perdidos, achados, arrependidos, sofridos e até frustrados. Todos amores. Muito menos da brisa, acariciando nossa face como seda sem interesse algum, ou dos sabores, exóticos em sentimentos, desafiando nossos sentidos; nem das flores, das orquídeas em especial com suas inexplicáveis formas; nem do inexplicável mesmo, do impossível que acontece, do improvável morando ali, em qualquer esquina.


É possível estender por páginas sem fim razões que não falarei, mas paro por aqui.


Na hora que este post for publicado, provavelmente eu esteja em preparação para encarar uma praia, depois cervejas e peixe frito, afinal, estou de férias. Mais e mais motivos que poderia, mas não vou usar. Sabem por quê? A resposta é simples. Um só já é suficiente. Qualquer deles basta para que fiquemos vivos. Somente pensar o contrário conspira contra o bom senso e, já que somente um basta, aí está o eleito para representar a turminha toda: "Moonlight" . Escute e desista, se for capaz.

Até o Carnaval.




14 comentários:

Luiz Gonzaga B. Jr. disse...

O mar é realmente esmagador.

Denise disse...

Beto, beto, beto...

Mai disse...

...E o Ululante ululou por aqui.
Razões para se viver? Vou pensando enquanto comento...
Me deu vontade de ir à praia (nem precisava ser a mesma) e beber
uma(s) cerveja(s) comer peixes fritos e conversar cotidianidades com amigos...
Mas essa razão seria vã, também.

...'Não vale dedo no olho ou golpe abaixo da linha da cintura mas esta é uma regra política...'
(acredite ou não eu li isso outro dia)

...E tá duro viver?
Tá, porra! Prá quase todo mundo, ora...
Bobear cê vai aos mortos e pergunta: quem quer voltar?
Vão dizer: - não perturba, pô, vão embora e se lasquem prá lá, nasceram para que?!
Isso tudo é absurdo?
Divina comédia?
Ou Date ou nada...
..
Mas suicídio é o maior dos absurdos mesmo.
Não tem jeito é dar conta de viver e quem tiver peito, não grita, quem temer a loucura, abre um blog.

Beijos.

Mai

Douglas Russano Romeu disse...

eu ainda to começando a estudar Filosofia, ahsuhasuhaus, demais'

.nara.grilo. disse...

Praia, cerveja e peixe frito. com certeza são razões para manter-se vivo. Boas férias :)

Kau'S disse...

Acho que realmente a Sonata me disse tudo e ainda deixou aquele rastro de lágrimas...
Boas férias meu bem!
;***

Biba disse...

Boas férias! Muito mar, cerveja gelada e peixe frito, é isso aí!
Beijos.
Carpe Diem!!

Sheyla Amaral disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sheyla Amaral disse...

O mar de dentro é tão profundo e desconhecido quanto. Peixes ou miolos fritos e levantamos todos os dias do nosso ensaio de toda noite. Claire de Lune é minha predileta de Beethoven. Fur Elise, também. Essas coisas de cada dia, descobertas ou resgates, nos impulsionam para frente. Principalmente o sorriso do filho.

Beijo e q as férias sejam bem tri legais!

Cara de 30 disse...

Bem, quando voltar, passe lá pelo meu blog e pegue um humilde selo.

Sobre o texto... A vida e o belo se juntam na maior parte do tempo. Nós é que estamos prestando atenção em outras coisas e não conseguimos percebê-los.

Boa folia.

Silvares disse...

Boas férias (quando você ler isto elas já terão acabado daí que seja um desejo só por ser, um desejo para mim próprio a partir da próxima 6ª feira)

Lady from the city disse...

eu amei o filme do post anterior!! >.< simplesmente um fdilme para refletir...
e sobre as razões para se manter vivo, eu gostaria de saber o q uma pessoa q pretende acabar com a sua vida tem como argumentos para não querer mais fazer parte desse mundo.
bjinhooos luz

Lady from the city disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luiz Calcagno disse...

Sabe, vou dar uma resposta zen-budista que tem mexido comigo utimamente. Lama vale mais que palavras. Boas férias, meu amigo. Belo texto!

Abraços