Veronika Decide Morrer

Eu tenho alguns parâmetros nada técnicos para qualificar um filme. Direção, trilha sonora, diálogos, enredo, interpretação, ritmo, fotografia, montagem e efeitos, basicamente. Destes, para ser considerado um excelente filme, no mínimo sete itens devem ser plenamentes satisfatórios. Uma obra média, digamos que uns cinco, talvez seis. Abaixo disso, cinema menor.
Fui, meio a contragosto, ver Veronika Decide Morrer. A técnica usada é conhecida: começa com tensão, pelo menos na tentativa, e depois a coisa vai melhorando até todos viverem felizes para sempre. A obviedade de tudo chega a ser irritante. Quando saí do cinema, a primeira coisa que pensei foi em como a obra era infantil, mas, admito, errei. Não tem nada de infantil até porque filmes para este público normalmente são bons ou razoáveis. É pobre mesmo. Desde o enredo até o desfecho, passando principalmente pelos diálogos, é tudo muito limitado.
Não valeria a pena sequer discorrer sobre todos os quesitos, mas, pela precariedade, merecem atenção. A trilha, por exemplo, é feia e mal adaptada. O ritmo é quase um desmaio. Apesar de as coisas irem melhorando com o passar do tempo, há uma impressionante apatia. Por consequência, percebe-se que a direção é uma lástima. A fotografia é escura e nada inspirada, com uma montagem previsível e sem efeitos. A interpretação é um capítulo a parte. Sarah Michille Gellar (Tartarugas Ninjas e Buffy - A Caça Vampiros) até tenta, mas não consegue uma atuação sequer razoável. Às vezes, torcia para que ela virasse uma figura da noite, com a boca cheia de sangue, qualquer coisa para sair daquele marasmo, ou cravasse uma estaca em um vampirão desvairado. Os outros atores sequer vou comentar. Seria perder tempo. Além disso tudo, têm algumas cenas que de tão inverossímeis beiram a bestialidade. Ou seja, um completo fracasso.
Toda a história, contada em intermináveis cento e três minutos, caberiam perfeitamente em cinco. Se pensarmos que o orçamento para isso tudo foi de nove milhões de dólares dá vontade de chorar.
Seguidamente termino textos sobre cinema estimulando uma ida ao escurinho, mas, desta vez, corram dele. Eu acredito que até cine trash tem valor, mas, creiam, trata-se de um filme Z, definitivamente cinema menor. Vejam um bom faroeste, filme de pirata, qualquer coisa. Livrem-se deste sofrimento.
Veronika decide morrer e não consegue. O diretor Emily Young tenta fazer um filme e também não consegue. Paulo Coelho tenta... bem, deixa assim... Afinal, com essa turma, tudo igual, nada de bom.
Se eu fosse obrigado a voltar ao cinema, o mais provável seria "Beto também decide morrer".


14 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Leandro Fonseca disse...

os filmes thrash são os melhores, pois são os mais sinceros que existem. E Paulo Coelho tenta ser escritor.

Mai disse...

PLAC, PLAC, PLAC...
Este texto é meu também.

Bravo!
Beijos,

Denise disse...

Esse filme não mobiliza minha ida a uma sala de exibição.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Biba disse...

Ei, Beto, você é muito curioso, né? Porque só de eu saber que a trama é baseada em Paulo Coelho já saio correndo!! Mesmo sem ter assistido (e não pretendo) gostei de como você conduziu a sua crítica.

Beijos
Carpe Diem!!

Anônimo disse...

Types of chocolate:
Commercially available chocolate and chocolate can be divided into thermostat thermostat-free chocolate, the so-called free thermostat chocolate, is chocolate containing cocoa butter composition of the separation, and then replace the cocoa butter to vegetable oils, due to low prices, easy and in the is not easy to melt under high ambient temperature have been widely used in commercial purposes, the French chocolate Technology Normal University are reluctant to use the thermostat-free chocolate.

Dalai Lama's public trip from August 31 to September 2. Dalai Lama plans on the 30th night entry from Taoyuan International Airport, 31 Chinese and foreign journalists will be held the morning, afternoon, and visits prospecting disaster victims, on the 1st of the trip was a public speech and the victims of the village, a modern place in Kaohsiung City Comprehensive Stadium, 2 No. Han God Dome Banquet Hall with Cardinal Paul Shan Kuo-hsi of the talk.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

On the ground planted vegetables, it is unlikely that long grass; the hearts of the good, it is unlikely that health evil.

www.gayoyoga.com.tw
www.gayoyoga.com.tw/teacher.html
www.gayoyoga.com.tw/time.html
www.sunny-yoga.net
www.sunny-yoga.net/news/news001.php?userid=6&page=1
www.sunny-yoga.net/aboutus/aboutus.php

Sur le terrain planté de légumes, il est peu probable que l'herbe longue, le cœur du bien, il est peu probable que le mal de la santé.

Auf dem Boden gepflanzt Gemüse, ist es unwahrscheinlich, dass die hohen Gras, die Herzen der gut ist, ist es unwahrscheinlich, dass die Gesundheit das Böse.

Ricardo Valente disse...

boa, quer dizer, Beto decide morrer... hehehe
Abração!

glória disse...

Vou conferir! adorei: "O ritmo é quase um desmaio". bjs

Anônimo disse...

Eu achei legalzinho o filme. Se ela fosse simplesmente tratada, acabaria tentando se matar de novo. Como foi dito que morreria, experimentou novos sentimneots e decidiu viver. Mas esse Beto deve ser um cara muito preonceituoso,. que não vai deixar meu comentário ser publicado. Que se dane!!! Feliz ano novo!! Mesmo que isso seja ilusão pura...

Beto Canales disse...

Olá anônimo. Não sou preconceituoso não, e, gosto muito de quem pensa diferente de mim. Ainda bem que existe isso. Já imaginou se todos pensássemos a mesma coisa? Seria muito chato. Bom 2010 pra ti tbm..

Abração e manda bala nas críticas...

2 de janeiro de 2010 21:03