Oba: Obama!

Não há como negar, é um feito. Eleger-se presidente em um país em que há menos de 50 anos os negros era proibidos de votar, sendo um negro, é realmente fantástico. Some-se a isso o detalhe da própria juventude e de que seu concorrente, (por sinal, aplausos a para a civilidade e consciência política de John Maccain em seu discurso de derrota, quando lamentou a morte da avó de Barack pouco antes de poder assistir a vitória do neto, além de chamar humildemente o adversário eleito de "meu presidente" - fosse por essas paragens...) era um típico americano, herói de guerra, com cicatrizes e tudo, temos nesta eleição o fato mais raro e surpreendente da história moderna da civilização.
Claro, como não poderia ser diferente, eu estou radiante. Sei que o protencionismo americano irá aumentar, isso significa desemprego mundo afora, mas dos males o menor: certamente teremos menos guerras, e só isso já faz com que valha a pena - analisando friamente (isso é horrível de dizer mas é a verdade) épocas de paz também diminuem os postos de trabalhos. O mundo é cruel. Nós somos cruéis. Mas, fazendo a famosa conta custo-benefício, acho que todos nós sairemos ganhando. Principalmente os que deixarão de morrer nos Iraques, Afeganistões e quem mais viesse por aí...
Na verdade, é um marco, um começo de uma nova era. Alguns falam em 11 de Setembro como uma data desta estirpe, mas acho que não. Esta data foi terça, dia quatro de Novembro. Em suma, a eleição de Obama mostra uma única coisa, que creio ser a responsável por todo este peso que atribuo ao fato, que é a democracia. Com todos os defeitos, ela existe e é possível. Ouvi dizerem que isso já estava provado com o Lula e o Evo, da Bolívia. Discordo. É um caso completamente diferente. Aqui e no vizinho, elegemos (claro que não tiro o mérito) nossos iguais. No Brasil, um país com pouco estudo, elegemos um metalúrgico, igual a maioria, também com pouco estudo. Na Bolívia, um país indígena, um índio. Nos Estados Unidos foi o oposto: em um país de maioria branca (e racista) elegeram um negro. Esta é a prova. Torço para que não o matem - os gringos não são fáceis - pois creio que ele não decepcionará.
Enfim, repetindo a famosa frase: Democracia é o pior de todos os tipos de governos, exceto todos os outros, termino afirmando que ela existe. Não é somente um sonho.
Meu compadre, que é um "negão" sem fundamento como brinco, (não toca pandeiro, não faz samba e não joga bola) me ligou e disse: "Olha, primeiro o Hamilton e agora o Obama. Te cuida comigo, heim". Eu mereço.


15 comentários:

Cara de 30 disse...

É foi um marco mesmo. Vamos sofrer uma recessão, como eles estão sofrendo por lá, mas acho que isso iria acontecer com qualquer dos dois que vencesse. Vamos ver o que acontece de agora em diante. :)

Desarranjo Sintético disse...

Casualmente escrevemos sobre a mesma coisa. Escrevemos porque isso é um Acontecimento. Um marco, como você disse. Concordo em muito com você. Espero que tudo dê certo por lá. Não sei se a democracia existe, eu sou até meio apolítico, mas que o que aconteceu foi importante, isso foi.

Abraços.

Fábio.

felipe lima disse...

eu ganhei um apelido.

Adriano Queiroz disse...

É um marco, sim. Mas a democracia anda capenga ainda.
Fico feliz por um negro ter sido eleito, é um símbolo e tanto para minha família e para o povo negro que tanto foi massacrado nos últimos séculos.
Boa sorte para o Obama.

laura disse...

O mundo todo se encheu de esperança.
Corresponder a tantas expectativas não vai ser fácil.
Lembrei de um certo metalúrgico...
Com Obama chegando lá, com certeza novos rumos p o planeta.
Os americanos estrão cansados de tantas guerras e tantas vidas desperdiçadas nas fronteiras dos outros.
Gostei muito do teu comentário.
Abç

eliane disse...

Vida longa e saúde ao Obama.
Um marco histórico para a humanidade.
Ele herdou um país praticamente falido - eu acho que os EUA vão ser apenas um país a mais no mundo, depois dessa quebradeira - mas isso é bom. Pelo menos melhor do que está agora.
Não entendo bulhufas de política interna, externa, internacional. Nada. Nem quero entender, porque é dois e três e estão declarando guerra.
Chega disso.
Se o Obama terminar com essas guerras sem propósito no mundo, já terá dito a que veio.
Ele me parece do bem. Se não deixar a calhordice dos políticos mais velhos manchar sua juventude e boa vontade, o mundo agradecerá bem logo. Aplaudindo de pé.
Aguardemos.
Abraços, beto.

felipe lima disse...

O próprio, Canales: Obama.

felipe lima disse...

E olha, não me pergunte o por quê, o lance é meio constrangedor.

felipe lima disse...

E agora eu vi: esqueci do "E" ali em cima. Era para ser 'E eu ganhei um apelido', que passa a impressão de que além de tudo o que o Obama representa com sua vitória histórica, trouxe-me ainda referência para um apelido.
Fui meio efusivo agora, né?
Foi mal, abraço.

Jana disse...

Hey!
Gostei prá caramba desse texto.
E concordo com você.
Novos tempos despontam.
Que bom.

Abração
:)

Jana disse...

Oiê!
Voltei só para dizer que tem um selinho para o senhorito lá no meu blogue.

:)

Luiz Gonzaga disse...

A democracia ainda é imperfeita mas é o que temos para o momento.
Tomara que o negão seja tão competente quanto simpático.

Nem Li disse...

O Obama é "O Cara" da vez.

afobório disse...

olá.


muito bom o seu texto beto, e o obama realmente faz história, aliás, acredito que o mundo está num processo de transformação profunda, embora lenta, aos poucos o cidadão vai aprender que quem dá as cartas é ele.



sorte e luz.

Adriano Queiroz disse...

Beto, parabéns pelo conto no blog do Robson.
Deixei minhas impressões sobre o texto nos comentários de lá.

Abraços.