Confusão

Ando numa fase tão ruim que preciso escrever sobre coisas boas, apesar da vontade de falar sobre morte, angústia, perdas e coisas do gênero. Mas aí, evidentemente, o conflito. Meu cérebro organizando choro e eu querendo riso. O resultado disso? Não tenho a menor idéia do que será, mas, provavelmente, algo a lamentar.
Nestes casos creio que o mais indicado é falar sobre assunto nenhum, ou seja, sobre vários assuntos sem profundidade em nada. Claro que devo evitar alguns para não piorar a crise, mas, vejamos, tecnologia por exemplo, sem problema algum. Dia desses um menino perguntou:
- Tem orkut? - Eu, rapidamente e de forma precisa, sem nenhuma dúvida, respondi:
- Não! Eu tenho Unimed.
Não sei por que ele riu. Estes adolescentes acham graça até de velhinha cega atravessando uma avenida. Por sinal, isso é uma coisa que gosto de fazer. Falar mal dos aborrecentes. Eles são mesmo uns chatos e pensam que entendem tudo de computador. Acho que as duas afirmações são verdadeiras, principalmente quando eles querem mostrar do que realmente entendem. A propósito, eu também sou um cara conhecedor dos caminhos da informática. Sei mesmo. Conheço o caminho do técnico como a palma da minha mão. Palma da mão? Que esquisito isso. Quem conhece a própria palma? Alguém fica de mão aberta olhando fixamente para ela? Chego a imaginar a cena. Ditado estúpido. Vejam, outra coisa que gosto de fazer. Falar mal de frases prontas. Na maioria das vezes são coisas idiotas, mas quem não faz delas companheiras de prosa? Quem não usar que atire a primeira pedra. Melhor não usar este no Sudão ou salve-se quem puder. Falando em salvar-se, mais um assunto que me incomoda: religião. Falo com tranquilidade sobre isso por que falo de todas. Não há nenhuma suficientemente honesta que mereça a atenção e o carinho de qualquer devoto. São, todas elas, excelentes negócios para seus gestores, claro. Mas este assunto não é dos mais indicados. Fico irritado quando lembro de uma que vendia pedras para jogar no Judas. Isso mesmo. Pedras. O fiel pagava uma graninha, ganhava uma pedra e tinha o direito de jogá-la em um boneco no meio do palco (este mesmo é o termo correto). O mais surpreendente não é a igreja vender, mas o sujeito comprar. Odeio gente burra.
Bem, cansei. Outra hora pretendo dissertar com mais propriedade sobre alguns assuntos destes mas, por enquanto, só me resta lamentar.


12 comentários:

Denise disse...

Não posso atirar a primeira pedra. Tenho teto de vidro.

Luiz Gonzaga B. Jr. disse...

bem.. ao menos você não pensou em (argh!!) futebol.

Anônimo disse...

hehehe

Biba disse...

Às vezes é bom pensar em pequenas coisas ou leves coisas ou não tão profundas assim. Você é um lutador.
Fique bem!
beijo
carpe diem!!!

Afobório. disse...

olha beto, admiro a tua sensibilidade.
me torno até repetitivo aqui, e toda vez que apareço no teu blog, fico imaginando teu livro, deve ser mesmo muito bom, mal posso esperar para ler.

sorte e luz.

Adri Antunes disse...

olá! obrigada pela visita! e...sim, eu espero, sempre! droga, não devia, mas como lutar contra???
um abraço!

Luciano disse...

Excelentes lamentações em ótima narrativa.
Gostei do ritmo e da verdade contida em cada um dos diferentes assntos abordados e que compõem o texto.
Obrigado pelo post.

Letícia disse...

Lamento com você, Beto. Não ter orkut é mesmo uma desgraça. Corra e trate de fazer o seu. E frase clichê é o que mais se usa. Tipo: "Tudo Passa", "Boca fechada não entra mosca" e por aí vai. E vai ver que é este o motivo de querer falar do que é fato. Angústia, morte, maldade. Não vivemos em sites de relacionamento e a vida é cheia de nada que nós, adultos, devemos e sentimos a necessidade de não esquecer. Você escreve e reflete muito do que penso, Beto. Plac, plac, plac.

Mai disse...

E acho que não há alibi para as nossas crises de
'i n e x i s t ê n c i a' quando nos deparamos com coisas que nos 'irritam'...

Superficialidades definitivamente não combina com todos...

Mas, Lojs de 1,99 são boas. Orkutxi (com x) tb.

Abraços,

Belo texto sobre as fendas e vazios....

Felipe Lima disse...

Eu acho, verdadeiramente, que este é o teu texto mais profundo. Muito interessante: nele, você me abriu uma perspectiva absolutamente nova e que prometo comentar numa futura oportunidade. E das frases prontas, uma que adoro e (acho) fui eu quem inventei: 'na vida, o importante é o que importa'. Grande abraço Canales, e sinceros votos de muita paz nos próximos dias.

Ricardo Valente disse...

Breve o coração acalma... a cabeça efervesce novamente e a mão obedece. Abração!

Ivansalvador disse...

acho que mesmo sem querer -ou querendo- voce acabou falando sobre muitos assuntos. danadinho